Você já possui imóveis que aluga por contrato mensal, ou pretende investir em locação de imóveis como uma fonte de renda? Saiba que vale a pena considerar o aluguel de curta estadia se quiser empreender nesse ramo e ganhar mais! 

Diversas tendências vieram influenciando consumidores e viajantes. As formas de trabalho já não são mais tão engessadas e fazem com que profissionais de diversos tipos tenham maior liberdade para viajar. Além disso, os próprios turistas também buscam períodos do ano e destinos mais diversos ao planejarem as suas férias. Estes e outros fatores vem tornando o aluguel por curta estadia um ramo altamente lucrativo.

Entenda a seguir os motivos que tornam esse modelo mais rentável. Saiba também ao que se atentar no momento de investir nesta oportunidade e entenda como a economia pode colaborar para que você adquira imóveis para este fim de maneira mais vantajosa.

O aluguel por temporada se tornou mais lucrativo

O aluguel por temporada já existia no Brasil e, até alguns anos, era caracterizado por grupos de hóspedes que tinham a intenção de passar apenas alguns dias em um imóvel no litoral, principalmente em épocas de alta temporada. Ou seja, nas férias escolares e feriados, as principais cidades litorâneas, com as praias mais famosas, recebiam esses turistas.

Porém, com o boom das iniciativas de economia colaborativa, somadas às inovações tecnológicas, algo mudou nesse contexto. O surgimento de negócios como o Airbnb, que são baseados em uma colaboração em que todos saem ganhando, fez com que o aluguel por temporada se transformasse em aluguel por curtas estadias, em qualquer época do ano. Hóspedes passaram a apostar na locação temporária para os mais diversos fins. 

Nesse modelo, enquanto os hóspedes gastam menos, os proprietários que alugam por curta estadia conseguem ter maior retorno financeiro. De acordo com matéria da Exame sobre locação de curta temporada, atualmente, esse mercado “já movimenta R$ 5,6 bilhões, e uma unidade chega a faturar R$ 250 mil por ano”. 

Como anfitrião, a ideia é que você invista em conseguir mais inquilinos temporários e ajuste os preços de acordo com a época do ano para tornar o seu imóvel em um negócio lucrativo. A matéria citada aponta que “um anfitrião (de imóvel para curtas locações) chega a lucrar 40% mais do que em aluguel tradicional”. É seu desejo ganhar mais com aluguel de imóveis? Fique atento às informações a seguir para saber como criar mais oportunidades.

O aluguel de curta estadia é válido inclusive além do litoral

Outra mudança comportamental que vem impactando o mercado de aluguel por temporada são as inovações nas formas de trabalho. Atualmente, são muitos os profissionais que precisam fazer viagens a trabalho. Executivos, por exemplo, fazem viagens para realizar ou participar de eventos empresariais, workshops e aproveitam para fazer networking.

Além disso, há ainda aquelas pessoas que viajam para outras localidades e trabalham remotamente. Há até mesmo uma categoria específica de viajantes que trabalham exclusivamente desta maneira: os nômades digitais. Esse tipo de viajante consiste em um desbravador, que busca conhecer diversos cantos do seu e de outros países enquanto trabalha à distância. É, de fato, um estilo de vida baseado ter muita disposição e uma boa conexão com à internet.

Além dessa tendência de inovação nas formas de trabalho, há ainda um segmento de turistas que preferem viajar fora de temporada. Ou seja, no final das contas, são diversos tipos de público-alvo com alta demanda e, uma vez que você encara o seu imóvel como um empreendimento a ser gerido, pode focar em um ou mais destes nichos para alavancar seus ganhos.

Perceba que, nesse contexto, não são apenas as cidades litorâneas com praias famosas se configuram como um destino de interesse dos viajantes. Cidades que oferecem outras opções de turismo, ou capitais e grandes centros urbanos que atraem profissionais e empresários, também são ótimas apostas.

A economia está favorável ao investimento em imóveis

Em Outubro de 2019 o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central baixou a taxa SELIC de 5,5% para 5%. Um artigo do Nubank sobre a taxa SELIC comenta que essa “é uma das ferramentas  que o BC usa para controlar a inflação e aproximá-la da meta anual”. As consequências dessa redução são a desaceleração da economia e um estímulo ao consumo.

Ou seja, as instituições financeiras, que acompanham essa baixa, reduzem taxas de juros sobre empréstimos. Aos olhos de investidores, por exemplo, passa a ser mais interessante movimentar seu dinheiro, uma vez que os investimentos em títulos do Tesouro Direto, CDBs e outros investimentos em Renda Fixa, que se relacionam com a SELIC, passam a render menos.

Sendo assim, esse é um ótimo momento para financiar um imóvel e gerí-lo como um empreendimento de aluguel por curta estadia. A locação do imóvel, que, como visto, é bastante lucrativa, se torna a fonte pagadora do imóvel e, ao mesmo tempo, oferece bom retorno financeiro ao proprietário. 

Agora que você conferiu essas informações, vale a pena começar a buscar regiões em que você pode adquirir imóveis diferenciados para locar por curta estadia. Neste momento de pesquisa, é necessário levar em conta alguns outros fatores, além dos que você já consideraria ao buscar um imóvel no geral. 

Como visto, a ampla gama de lugares para selecionar. Vale lembrar que o litoral é, ainda um dos mais buscados por turistas e ainda pode atender a outros perfis de viajantes, como nômades digitais ou outros profissionais com propósitos diversos. 

A nossa dica de ouro é conhecer um pouco mais sobre o litoral norte de São Paulo. O município de São Sebastião consiste em mais 65 km desta região e é composto por 33 praias. Confira agora mesmo alguns motivos para investir em aluguel de curta duração em São Sebastião!